sexta-feira, 23 de setembro de 2016

TAXAS DE JUROS FUTUROS DE MERCADO CONTINUAM CAINDO.



TAXAS DE JUROS FUTUROS DE MERCADO CONTINUAM CAINDO.

A TAXA BÁSICA ESTÁ EM 14,25% DESDE 07/2015.

Taxa dia
VENCIMENTOS
DI 360
01/2018
10/2019
01/2021
19/09/16
12,87
12,54
11,97
12,07
20/09/16
12,81
12,47
11,93
12,07
21/09/16
12,72
12,36

11,88
22/09/16
12,60
12,25
11,63
11,72

COMENTO:  o DI 360 caiu de 12,87% para 12,6%. A taxa com vencimento em 01/2018 caiu de 12,54% para 12,25%. A taxa com vencimento em 01/2021 caiu de 12,07% para 11,72%.  Em 12/2015 a taxa de mercado com vencimento em 10/2019 estava em 16,8% caiu para 12,25% em 22/09/2016 (a queda foi substancial). Significa que o custo de captação das empresas e do TN caiu. 


A BAIXO A CURVA DE 21/12/2015 E DE 22/09/2016. A CURVA MUDOU A TENDÊNCIA DE ASCENDENTE PARA DESCENDENTE (efeito da taxa básica e de BC acreditado). 





quarta-feira, 21 de setembro de 2016

JUROS FUTUROS DE MERCADO CONTINUAM A CAIR. SELIC (Taxa básica) E SEUS EFEITOS SOBRE OS JUROS FUTUROS DE MERCADO.




JUROS FUTUROS DE MERCADO CONTINUAM A CAIR.
SELIC (Taxa básica) E SEUS EFEITOS SOBRE OS JUROS FUTUROS DE MERCADO.

TAXAS DE JURO DE MERCADO:
SELIC 14,25% DESDE 07/2015. 
a) 360 DIAS, DI 360 NO DIA 20/09 DEU 12,81%;
b) COM VENCIMENTO EM 01/2018 DEU 12,47%; 
c) COM VENCIMENTO EM 10/2019 DEU 11,93%;
d) COM VENCIMENTO EM 01/2021 DEU 12,07%. 

ABAIXO A CURVA DE JURO DE MERCADO NA DESCENDENTE. 
O JURO COM VENCIMENTO EM 10/2019 = 11,93%.  

sábado, 17 de setembro de 2016

CÂMBIO: UMA ANÁLISE RESUMIDA.


CÂMBIO: UMA ANÁLISE RESUMIDA.

O Câmbio é EFEITO de CAUSAS internas (fluxo cambial, balanço comercial, saldo em transações correntes, taxa básica, política fiscal, credibilidade de autoridades monetárias, do governo, etc.) e externas (Fed, taxa básica, liquidez, preços de commodities etc.).
Na tabela abaixo vemos que o Saldo do Fluxo Cambial Financeiro foi negativo até o mês 08/2016. Não estava ocorrendo o volume de entradas de capitais que o mercado financeiro antecipava se defendendo através da valorização do real (as expectativas de valorização do real). O BC para evitar uma valorização maior do real passou a fazer operações de Swaps Cambiais Reversos. Uma operação semelhante à oferta de dólares, mas virtual (venda virtual de dólares contra real em data futura). O BC aposta em dólares contra reais. O BC informou que estava reduzindo a exposição de seus estoques de Swaps Cambiais (diretos, o inverso de reversos). Nos primeiros dias de setembro (até o dia 9) o saldo do Fluxo Cambial Financeiro ficou POSITIVO em US$ 15 milhões (inverteu de negativo para positivo), mas nos dias 8 e 9 o saldo ficou POSITIVO em US$ 787 milhões, apontando para uma direção. É uma condição que tem como efeito a valorização do real (outras variáveis internas e externas têm que ser consideradas, principalmente a taxa básica do Fed). É uma variável muito importante na análise da variação cambial.
A TABELA ABAIXO EM US$ milhões.
http://www.magconsultoria.uaivip.com.br/SETOREXTERNO.htm 

terça-feira, 6 de setembro de 2016

CURVA DE JURO DE 05/09/2016


CURVA DE JURO DE 05/09/2016.

CURVA DE JURO DE MERCADO continua descendente (negativa) e juro de 10/2019 cai para 11,86%. DI 360 12,92%. Há 1 ano estava em 15,02%. Em dez./2015 estava em 16,8%. 
Para conseguir reverter as expectativas de inflação foi necessário subir a Selic para 14,25% e mantê-la neste nível desde jul./2015 (15 meses. Normalmente com 9 meses se consegue resultados. A insegurança política dificultou). 



sábado, 27 de agosto de 2016

O IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEF.


O IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEF.

Para os leitores dos 19 países que visitam o blog: 

A Constituição do Brasil em seus artigos 85 e 86 diz: 

Art. 85. São crimes de responsabilidade os atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e especialmente, contra: 
V - a probidade na administração;
VI - a lei orçamentária;

Art. 86. Admitida a acusação contra o Presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade.
Parágrafo 1º - O Presidente ficará suspenso de suas funções: 

ll - nos crimes de responsabilidade, após instauração do processo pelo Senado Federal.  

OS FATOS. Para conseguir se reeleger a presidente em 2013 e 2014 praticou inúmeras formas de abusos: reprimiu preços, fez swaps cambiais prejudiciais ao país (o prejuízo foi superior a R$ 100 bilhões), caiu a taxa básica para percentual que levou a um déficit em Transações Correntes (contas externas) de US$ 104 bilhões, para retardar a explosão do processo inflacionário. Distribuiu bolsas famílias sem controle, deu subsídios de juros para empresas escolhidas através do BNDES e permitiu a institucionalização e a generalização da corrupção no país como nunca se viu (SÃO 13,5 ANOS NO PODER). Autorizou a compra da refinaria de Pasadena, nos USA, causando um prejuízo perto de US$ 1 bilhão (depoimentos acusam corrupção). Na campanha MENTIU  falando que a situação do país era boa, desmentindo seu concorrente que avisava da crise iminente. 
Após tomar posse do novo mandato (2015) iniciou, corretamente, um ajuste fiscal. Não conseguindo ser acreditada socorreu-se de um economista (J. Levy) de linha de pensamento o inverso de seu discurso de campanha. Como os desarranjos foram maiores do que o previsto pelos críticos mais pessimistas, o buraco feito através do que denominaram de Contabilidade Criativa e Pedaladas Fiscais, a situação fiscal e a inflação agravaram-se. A presidente perdeu o apoio que tinha no legislativo (a maioria que a apoiava e acreditou em suas mentiras sentiu-se traída). Ao invés de pedir autorização ao legislativo para corrigir o orçamento e o superávit primário para déficit (chegou a R$ 170 bilhões), escondeu os fatos. Utilizou-se dos bancos públicos para fazer seus populismos e não pagou. O governo é proibido pela constituição de utilizar os bancos públicos para financiar-se. Defendem-se com o argumento de que os saldos negativos não pagos aos bancos públicos não são operações financeiras (um argumento absurdo). 

O PIB do país caiu mais de 3,5%, 12 milhões de desempregados, a inflação ultrapassou 10% (a meta é 4,5%). 
O Presidente da Câmara (a quem acusam, tem direito a um único voto) deixou de aceitar mais de 40 pedidos de impeachment. Aceitou um único, assinado por respeitado jurista, fundador do PT. 
Na Câmara mais de 2/3 dos Deputados votaram a favor do impeachment. 
No Senado em duas votações mais de dois terços dos Senadores votaram a favor do impeachment. 
Agora é a terceira e final votação. 

A presidente está sendo enxotada da presidência pelo conjunto da obra, pelas mentiras, pela corrupção generalizada e para evitar que o país volte a ser governado por incompetentes  que construíram tal quadro e que têm o foco na corrupção. O país quebraria e o sofrimento seria do povo brasileiro. Quem entende um pouquinho de economia e de contas públicas sabe que o Brasil não resistiria ao retorno da organização criminosa no comando do país (denominação dada pelo pleno do Supremo Tribunal Federal em julgamento).
Toda a elite dirigente do PT foi condenada à cadeia pelo pleno do STF, inclusive seu presidente e os 3 últimos tesoureiros. Lula, sua esposa, seus amigos e seus filhos estão submetidos a inquérito investigativo pela Polícia Federal. É disto que os brasileiros e o país está se livrando. 
Felizmente o Brasil é uma democracia madura (os órgãos de estado competentes e independentes) que através de suas leis está conseguindo livrar-se de tal organização que iria quebrar o país. MAG 08/2016. 
      

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

POLÍTICA MONETÁRIA – EFICÁCIA (INFLAÇÃO E CRESCIMENTO).

7) POLÍTICA MONETÁRIA – EFICÁCIA (INFLAÇÃO E CRESCIMENTO). 

MOTIVO: tentar explicar que o crescimento conseguido através de taxa básica expansionista e imprudente não tem sustentação.
1) A experiência demonstrou que a política monetária é mais eficaz no combate à inflação (claro que a parceria com a política cambial e fiscal adequadas torna-a mais eficaz ainda) do que (sozinha) para motivar e conseguir crescimentos (aumentos consistentes das atividades econômicas). O crescimento depende de outras variáveis fundamentais que constituem também a relação das causas das atividades econômicas (Anatole Murad desenvolveu um estudo interessante sobre o assunto). A queda da taxa de juro (sozinha) não provoca, com certeza, o aumento dos investimentos, é apenas uma variável necessária. A contestação de que a política monetária pode criar um ambiente de expansão, como único fator, é unanimemente aceito. O reconhecimento das limitações da política monetária, de que ela não pode como único fator resolver os complexos problemas e interesses individuais da atividade econômica, não tira sua importância no quadro mais vasto da política macroeconômica.  
      2) Uma adequada distribuição de rendas, a existência de fatores de produção (recursos naturais, capital, trabalho, tecnologia), a segurança institucional do capital investido, uma normatização (marco regulatório) adequada que passe segurança e motivação, vantagens ou desvantagens comparativas naturais e artificiais (leis adequadas, judiciário eficaz – rápido e justo - legislativo ou executivo que passem segurança), um sistema financeiro compatível que proporcione segurança para as poupanças e que alimente as necessidades de financiamentos do consumo e dos investimentos, um sistema previdenciário que estimule a formação de poupanças e que não permita privilégios, contas públicas transparentes com publicações de balancetes mensais analíticos, gastos públicos improdutivos (atividades meio) sejam o menor possível, são fatores importantes e que devem ser analisados. MAG 01/2007.


PUBLICADO EM 01/2007 NO SITE: 

http://www.magconsultoria.uaivip.com.br/artigos.htm#7) EFICÁCIA  

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

CRISE: CAUSAS, EFEITOS E CORREÇÕES.


CRISE: CAUSAS, EFEITOS E CORREÇÕES.

A crise brasileira atual teve como causas:
a) a redução dos preços de nossas commodities exportadas;
b) a queda da Selic abaixo da adequada (2012 / 2013) provocando desarmonia entre a velocidade de crescimento da oferta e da demanda e déficits externos (transações correntes). Em 2014 o déficit ultrapassou US$ 100 bilhões (INSUSTENTÁVEL);
c) para retardar a inflação (efeito da Selic abaixo da adequada) reprimiram os preços dos produtos administrados (petróleo e energia) provocando prejuízos e redução da capacidade de investir das empresas (com a corrupção quebraram a Petrobras);
d) as operações de swaps cambiais iniciadas em 05/2013 para compensar os efeitos da Selic abaixo da adequada (2012 / 2013), a desvalorização cambial e seus reflexos nos preços (inflação). As operações atingiram US$ 118 bilhões e provocaram um prejuízo (regime de caixa) de mais de R$ 100 bilhões;
e) o discurso de aversão ao lucro e ao mercado, e as mentiras (a transparência zerou) das autoridades econômicas e da presidente instalou um clima de desconfiança no governo (sem confiança os investimentos zeraram);
f) como o foco gerencial do governo e das estatais era mais a corrupção, a qualidade da gestão deteriorou;
g) a presidente perdeu o apoio do congresso que a elegeu (decepcionados com as mentiras eleitorais).
AS CORREÇÕES:
      a)    o início dos aumentos da Selic em 05/2013 (deram uma parada eleitoral entre mai. e set, de 2014), atingindo 14,25% em jul. de 2015;
  b)    o juro futuro que atingiu 16,83% em 12/2014 retroagiu para 12,02% em setembro/2016.   A curva de juro de mercado reverteu de ascendente para descendente. O custo de captação do TN e das empresas reduziu (o inverso do que leigos e economistas políticos ou mal formados escrevem);
 c)    o Saldo em Transações Correntes passou de US$ 104 bi. negativos em 2014 para US$ 58,9 bi. negativos em 2015 e para US$ 8,4 bi. também negativo em junho de 2016;
 d)    os preços reajustados melhoraram a situação das empresas (Petrobras e Elétricas);
 e)    a inflação iniciou a queda em junho (e julho);
 f)     infelizmente a política fiscal irá demorar mais tempo que o previsto para ser ajustada.
MAG 08/2016.

   







quinta-feira, 28 de julho de 2016

A TAXA BÁSICA E SEUS EFEITOS (o tempo entre causa e efeito). CASO BRASIL.


A TAXA BÁSICA E SEUS EFEITOS (o tempo entre causa e efeito). CASO BRASIL.

IGP M DE JULHO CAI PARA 0,18%;
IPA M -0,01%;
IPC M 0,29%;
INCC M 1,52% (alguma demanda que justifique os aumentos deve estar acontecendo).
É apolítica monetária iniciando seus efeitos.

Os sofrimentos causados pela política econômica neopopulista do primeiro governo Dilma, apelidada de "nova matriz econômica" (na verdade uma demagogia eleitoral), teve sua correção iniciada com o Ministro da Fazenda Joaquim Levy (economista de pensamento semelhante à competente equipe atual), boicotado e criticado pelo PT e resto do governo (na verdade ele entrou numa fria sem saber a profundidade das irresponsabilidades), impedindo que conseguisse manter a credibilidade inicial que conseguiu passar ao mercado. Foi o PT e a sua elite sabotando-o, pensando que conseguiriam manter a credibilidade, não conseguiram, pois o mercado é desconfiado, luta pela sobrevivência e pela manutenção de seu capital (a crise que já era profunda se aprofundou mais ainda). Corrigir irresponsabilidades com os responsáveis por elas e o PT defendendo mais irresponsabilidades só na cabeça da turma do pensamento mágico. Os quase 12 milhões de desempregados, as empresas quebradas, a paralisação dos investimentos e o PIB caindo só conseguiriam ser REVERTIDOS com a queda do governo (o mais corrupto que o Brasil já teve, além do mais mentiroso = demagogia aparente percebida por todos), E UM NOVO (mesmo que o preço a pagar fosse o PMDB e Temer) comprometido com as necessárias e indispensáveis REFORMAS e ajustes. Patrioticamente o PMDB e Temer colocaram-se á disposição da nação para corrigir e administrar a fase de ajustes e seus sofrimentos (o PSDB, DEM, PSB, PP, PR, PTB, PPS, SOLIDARIEDADE e outros também passaram por cima de seus interesses imediatos a favor do país. Uma trégua a favor do Brasil até 2018, coisa que a REDE negou-se). Os EFEITOS de DECISÕES DEMAGÓGICAS em economia só acontecem após um período (é o que motiva as decisões absurdas feitas por governantes em anos de eleições). É o tempo que ocorre entre CAUSA E EFEITO (os demagogos enganam os leigos passando por cima deste fato). Reconhecendo o fato de que o BC de Tombini e Dilma iniciou a correção da demagogia na política monetária (Selic abaixo da adequada, que agrada leigos, jornalistas enganados por economistas mal formados e eleitores), iniciando o aumento da taxa básica em maio de 2013 (muito lentamente) ao mesmo tempo em que iniciou a fazer as operações de Swaps Cambiais (para evitar a desvalorização do real) e reprimir preços (evitar a inflação). Os aumentos da taxa básica de juros do BC (Selic) foram sendo lentamente aumentados (abaixo do adequado), deram uma parada entre abril e setembro de 2014, mas evitaram (juntamente com preços reprimidos e swaps cambiais) o agravamento da inflação (inflação reprimida) e de uma crise cambial que seria devastadora. Os swaps cambiais chegaram a US$ 118 bilhões (deram um prejuízo pelo critério caixa de mais de R$ 100 bilhões), os preços reprimidos quase quebraram a Petrobras e desarmonizaram o sistema elétrico. Sabedores dos absurdos que estavam fazendo e vendo-se incapazes de corrigir e gerenciar os ajustes, apelaram para um economista (Joaquim Levy) de pensamento inverso ao deles (o mundialmente aceito, apelidado de ortodoxo, liberal monetarista, na verdade o responsável e que evoluiu com o tempo). Temos que registrar que mais de 1.700 economistas (a maioria da UNICAMP e de escolas federais) assinaram um manifesto de apoio às irresponsabilidades neopopulistas que estavam sendo feitas.

A crise cambial foi evitada pelos aumentos da Selic, que juntamente com o início da recessão (provocada por irresponsabilidades, barbeiragens e demagogias em política econômica) foi ajustando a velocidade de crescimento da oferta e demanda (reduzindo importações e exportações). Ficou a crise fiscal (conjuntural e estrutural, pior a longo prazo). Sem patriotismo, união para que as reformas conjunturais e estruturais sejam aprovadas caminharemos para novas crises e continuaremos um país pobre por culpa de seus políticos (baixa qualidade de vida). MAG 07/2016.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

SITUAÇÃO EXTERNA DO BRASIL.

 
FLUXO CAMBIAL ATÉ 22/07/2016 (entrada e saída de divisas em dólares);
MÊS: Saldo Comercial US$ 3,292 bi (ano US$ 28,702); Saldo Financeiro - US$ -2,716 bi (ano US$ -38,535); Saldo final US$ 0,576 bi (ano US$ -9,833).
O BC reduziu as operações de Swaps Cambiais (utilizadas para evitar a desvalorização do real) de US$ 108 bi. em 31/12/2015, para US$ 30,766 bi. em 30/06/2016. A redução dos Swaps evitou uma valorização maior do real.
BALANÇO COMERCIAL JUNHO 2016 (entradas e saídas de produtos à vista e à prazo): 
Export. US$ 16,647 bi (ano US$ 89,822); Import. US$ 12,893 bi (ano US$ 67,334); SALDO US$ 3,755 (ano US$ 22,488).
NO Ano o dólar desvalorizou 16%. Fatores externos e melhor avaliação do governo Temer e de sua equipe econômica. Governo desacreditado desvaloriza moeda. A valorização não sendo artificial significa aumento de poder de compra (melhoria de qualidade de vida).
DÍVIDA EXTERNA EM 30/06/2016:
GOVERNO US$ 74,701 bi. (muito baixa);
ENTRE EMPRESAS US$ 212,775 BI.;
EMPRESAS E BANCOS (brasileiros e estrangeiros) US$ 259,243;
TOTAL US$ 545,419 bi. (é uma dívida baixa).
RESERVAS EM 31/12/2016 US$ 365 bi.
A SITUAÇÃO EXTERNA DO PAÍS É POSITIVA CONSISTENTEMENTE. 

sexta-feira, 22 de julho de 2016

RIO DE JANEIRO. CIDADE MARAVILHOSA. VENHA SEM MEDO.


O RIO DE JANEIRO É UMA CIDADE LINDA, COM MUITAS DIVERSÕES. O RISCO É SEMELHANTE AOS DAS MAIORES METRÓPOLES DO MUNDO. EVITE LUGARES MAIS ARRISCADOS COMO ZONA BOÊMIA, DROGAS, PROSTITUIÇÃO. NO INVERNO (14º CENTÍGRADOS), MAIO A A GOSTO,  NÃO TEM ZICA, NEM DENGUE. AS PRAIAS PODEM SER FREQUENTADAS. 






terça-feira, 12 de julho de 2016

RELAÇÃO SELIC X JUROS LONGOS DE MERCADO.


RELAÇÃO SELIC X JUROS LONGOS DE MERCADO.

07/07/2016. NOVA REDAÇÃO EM 07/08/2016.

O EFEITO DE UMA TAXA BÁSICA ABAIXO DA ADEQUADA E DE UMA ADEQUADA NOS JUROS DE MERCADO DE LONGO PRAZO ( a parte longa da curva de juros). 


CURVA DE JURO 11/07/2013. SELIC (9%), SUBINDO, MAS AINDA ABAIXO DA ADEQUADA (DI 360 10,19%).  A CURVA FICA ASCENDENTE (positiva), JUROS LONGOS DE MERCADO MUITO ALTOS. A TENDÊNCIA DA INFLAÇÃO E DOS JUROS DE LP É SUBIR, COMO VEMOS NA CURVA DO DIA 11/07/2016 MAIS ABAIXO. A SELIC TEVE QUE SUBIR ATÉ 14,25%, SER MANTIDA, PARA REVERTER AS EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO E OS JUROS LONGOS. O SACRIFÍCIO TERIA SIDO MENOR SE NO PASSADO A SELIC NÃO TIVESSE SIDO MANTIDA DURANTE MUITO TEMPO ABAIXO DO DI 360.  A Selic de 7,25% foi a origem do descontrole da economia brasileira (mantida com artificialismos). 

Curva de juros de 01/02/2016 ainda ascendente, mas a do dia com juros menores do que a de uma semana e um mês atrás. A curva movimenta-se para baixo, apesar de ainda ascendente. DI 360 = 14,57%. SELIC 14,25%.




CURVA DE JURO 21/12/2015 SELIC 14,25% AINDA ABAIXO DA ADEQUADA (DI 360 15,96%).  A CURVA FICA ASCENDENTE (positiva), JUROS LONGOS DE MERCADO MUITO ALTOS. O CUSTO DE CAPTAÇÃO DO TN E DO MERCADO TAMBÉM FICAM ALTOS. A MANUTENÇÃO DA SELIC EM 14,25% (12  meses) CONSEGUIU REVERTER AS EXPECTATIVAS DE INFLAÇÃO E OS JUROS LONGOS. O SACRIFÍCIO TERIA SIDO MENOR SE NO PASSADO A SELIC NÃO TIVESSE SIDO MANTIDA DURANTE MUITO TEMPO ABAIXO DO DI 360 (longo tempo em 7,25%, quando deveria ter sido no mínimo 9,5%).   

CURVA DE DEZ. DE 2015. CURVA DE JURO DE MERCADO ASCENDENTE (em 07/2015 selic = 14,25%). DI 360 15,96%. 




CURVA DE JURO DE 11/07/2016, SELIC (14,25%) ACIMA DO DI 360 (13,19%). A CURVA FICA DESCENDENTE (NEGATIVA), OS JUROS LONGOS DE MERCADO CAEM ACOMPANHANDO AS EXPECTATIVAS DE QUEDA DA INFLAÇÃO. É ASSIM QUE SE CONTROLA A INFLAÇÃO. SE O SALDO FISCAL PRIMÁRIO TIVESSE CONDIÇÕES DE SER POSITIVO AS EXPECTATIVA DE INFLAÇÃO SERIAM MENORES, OS JUROS LONGOS DE MERCADO TAMBÉM, E A NECESSIDADE DE TAXA BÁSICA ACOMPANHARIA.  

CURVA DE 11/07/2016. Os efeitos da taxa básica de 14,25% (iniciada em 07/2015, 12 meses para conseguir reverter os juros de lp para descendentes).





SELIC ANUAL-  (IPCA meta 4,5% a.a; 0,36748% a.m)
Mês/Ano 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
JAN. 11,25 12,75 8,75 11,25 10,50 7,25 10,5 12,25 14,25
FEV. 11,25 12,75 8,75 11,25 10,50 7,25 10,75 12,25 14,25
MAR. 11,25 11,25 8,75 11,75 9,75 7,25 10,75 12,75 14,25
ABR. 11,75 10,25 8,75 12,00 9,00 7,50
11,0
13,25 14,25
MAI. 11,75 10,25 9,5 12,00 8,50 8,0 11,0 13,25 14,25
JUN. 12,25 9,25 10,25 12,25 8,50 8,0 11,0 13,75 14,25
JUL. 13 8,75 10,75 12,50 8,0 8,5 11,0 14,25 14,25
AGO. 13 8,75 10,75 12,00 7,50 9,0 11,0 14,25
SET. 13,75 8,75 10,75 12,00 7,50 9,0 11,0 14,25
OUT. 13,75 8,75 10,75 11,50 7,25 9,5 11,25 14,25
NOV. 13,75 8,75 10,75 11,50 7,25 10,0 11,25 14,25
DEZ. 13,75 8,75 10,75 11,0 7,25 10,0 11,75 14,25

MAG 12/07/2016.

domingo, 3 de julho de 2016

POLÍTICAS CAMBIAIS.


POLÍTICAS CAMBIAIS.

RESPONDENDO A QUEM DEFENDE QUE OS BCs DEVEM TENTAR MANTER A MOEDA PÁTRIA DESVALORIZADA PARA AJUDAR A INDÚSTRIA (e à agropecuária) EXPORTADORA (e dificultar importações).

Recorro a partes de textos já publicados.  
Em 10/1998 publiquei em meu site (http://www.magconsultoria.uaivip.com.br/) um texto meio genérico sobre economia onde escrevi:

1) PADRÕES MONETÁRIOS:
1.1) METÁLICO: Ouro,  prata. 
1.2) PAPEL MOEDA: CONVERSÍVEL - Moedas mundialmente aceitas como reserva de valor (poupança). NÃO CONVERSÍVEL - Moedas legais dos países.
1.3) ESCRITURAL: todas as formas de moeda, inclusive depósitos (cada uma em seu ambiente).
FUNÇÕES DA MOEDA:  
A política monetária  (gerenciamento da moeda)  deve ter como missão respeitar as funções da moeda:
a) RESERVA DE VALOR:  permite formação de mercados de poupanças,  empréstimos e investimentos (a longo prazo), em consequência o desenvolvimento sustentado.
b) UNIDADE DE MEDIDA: permite ao mercado precificar o valor dos bens e serviços, facilitando negócios e o desenvolvimento.  
c) MEIO DE PAGAMENTO (instrumento de troca): facilita negociações permitindo que se formem mercados e em consequência ocorra o desenvolvimento.
2) REGIMES CAMBIAIS – TIPOS DE TAXAS DE CÂMBIO
2.1) FIXA: Valor fixo pelo qual o Banco Central compromete-se a comprar ou vender moedas conversíveis.
.2.2) VARIÁVEL (FLUTUANTE): O Banco Central permite que a taxa de câmbio oscile de acordo com as forças de mercado, só comprando e vendendo moeda por necessidade (dar ou retirar liquidez, evitar movimentos artificiais).
2.3) CONTROLADA: O Banco Central deixa a taxa de câmbio flutuar de acordo com seu  objetivo e as forças do mercado intervindo quando necessário (dando suporte a objetivos).
2.4) MÚLTIPLA (MISTA): O Banco Central fixa várias taxas de câmbio. Uma para compra de petróleo, outra para negócios financeiros, outra para importações e exportações, etc. É utilizada apenas para ocasiões muito específicas e especiais, devendo durar o mínimo tempo possível.


10. c) em 1944, na conferência de Bretton Woods os USA comprometeram-se a garantir a conversibilidade do dólar em ouro ao preço de US$35,00 por onça-troy. Em 1968 os USA estabeleceu dois preços para o ouro, um oficial apenas para os bancos centrais, outro livre para outros agentes econômicos; d) em 15/08/1971, os USA, abandonam totalmente a conversibilidade do dólar em ouro. Em março de 1973 os países industrializados abandonam a paridade fixa com o dólar, deixando suas moedas flutuarem em relação ao mesmo enterrando de vez o sistema de Bretton Woods; e) em 1979 os principais países da Europa decidiram criar um sistema monetário regional (o EURO). O ouro chegou a valer mais de US$800,00 (1980), caindo para US$300,00 em 1985 (as negociações ou especulações como alguns definem alcançaram uma intensidade de movimentação imprevisível). Na primeira década do século 21 o dólar passa a ter circulação muito maior do que a economia dos USA  (na verdade os USA passam a viver de emitir moeda). O regime de câmbio fixo só se justificaria se o dólar fosse conversível em ouro a uma paridade fixa (Bretton Woods). Se o dólar é apenas uma moeda escritural, seu valor dependerá da política monetária e da economia americana (a capacidade dos USA oferecer alguma riqueza real em troca dos dólares). O capital (direitos de receber dividendos, juros, de retorno de capitais) de residentes nos USA no exterior deve ser considerado nesta análise.    

ANÁLISE FINAL: incompreensível defender que o BC compre dólar artificialmente acima do valor de mercado (vale 10, mas o BC compra por 15). O BC não deve intervir no câmbio para desvalorizar ou para valorizar artificialmente. Quem pagaria? Tributos? Inflação? E o mundo vendo que o BC compra o dólar por valor acima do que o mercado precifica, faria o fluxo cambial financeiro ficar absurdamente positivo. Entradas de dólar que o BC teria que comprar monetizando a economia e depois esterilizando comprando-os através da emissão de títulos do TN (se não esterilizar o processo inflacionário se agrava). Além de ser uma transferência de recursos inaceitável, o povo pagando através de perda de poder de compra, de qualidade de vida, ainda teremos uma redução da capacidade de compra - do mercado interno. É empobrecer a todos para proteger empresas sem capacidade de concorrer. É INCEITÁVEL DEFENDER DESVALORIZAÇÃO CAMBIAL ARTIFICIAL PARA PROTEGER INEFICIÊNCIAS E INCOMPETÊNCIAS. 07/2016


O BC e o MF podem dificultar as entradas de capitais de curto prazo: prazo mínimo para retorno ou IOF de x%. As operações de swaps cambiais, diretos ou reversos, só devem ser feitas se o BC observar movimentos artificiais (mesmo assim por curto prazo).  

 PENSAMENTO LIBERAL E LIBERDADE (democracias liberais). Escrito em 04/01/2014.

CÂMBIO E LIBERDADE. MOVIMENTO DE CAPITAIS:
Existindo mercado (demanda) e um ambiente seguro e amistoso, o afluxo de capitais e os investimentos sempre ocorrerão. MAG
A qualidade de vida é sempre melhor nas economias abertas a muitos fornecedores (concorrência). MAG
Desvalorizar a moeda pátria, reduzindo o poder de compra de toda uma sociedade, para proteger lucros e privilegiar segmentos empresariais não competitivos, é arbitrariedade que só poderia ser tomada com o consentimento dos prejudicados. MAG
Valorizar artificialmente a moeda pátria é o caminho mais curto para crise cambial. MAG
Competitividade, ganhos de produtividade, melhoria contínua, só com concorrência. MAG
Governo considerado incompetente ou inamistoso com o mercado e lucros (capitais, investimentos), passa insegurança, afugenta empreendedores e investidores, paralisa investimentos, desvaloriza a moeda pátria acima do que seria normal (empobrece a todos e piora a qualidade de vida). O inverso é verdadeiro: governo amistoso ao mercado atrai empreendedores e investimentos, a moeda pátria valoriza, o poder de compra aumenta (a qualidade de vida melhora com o desenvolvimento).

MAG 07/2016.



sábado, 25 de junho de 2016

CONTAS EXTERNAS MAIO 2016




 BALANÇO DE PAGAMENTOS - US$ milhões - MAIO / 2016

Período
2015 
 2016
 Ano Previsão
 
Mai
Jan-mai
Ano
Mai
Jan-mai
Ano
PREVISÃO
 TRANSAÇÕES CORRENTES 
- 3 384
- 35 325
- 58 882
 1 200
- 5 966
-  15,0
1 BALANÇO COMERCIAL 
 2 466
- 3 061
 17 670
 6 251
 18 693
  50,0
1.1 Exportações 
 16 681
 74 283
 190 092
 17 498
 73 175
  190,0
1.2 Importações 
 14 214
 77 344
 172 422
 11 248
 54 482
  140,0
2 SERVIÇOS 
- 3 351
- 17 000
- 36 919
- 2 489
- 11 223
-  28,3
2.1 Viagens 
-  998
- 5 793
- 11 513
-  679
- 2 407
-  6,0
2.2 Transportes 
-  467
- 2 883
- 5 664
-  187
- 1 184
-  3,0
2.3 Aluguel de equipamentos 
- 1 998
- 9 224
- 21 532
- 1 671
- 8 322
-  20,0
 2.4 Demais serviços 
  112
  899
 1 790
  48
  689
  0,7
3  RENDAS  
- 2 697
- 16 094
- 42 357
- 2 834
- 14 681
-  39,7
3.1 Salários 
  48
  158
  349
  20
  109
  0,3
3.2 Juros 
-  799
- 9 279
- 21 913
- 1 148
- 8 323
-  21,0
3.4 Lucros e dividendos 
- 1 946
- 6 973
- 20 793
- 1 706
- 6 467
-  19,0
4 TRANSFER. UNILATERAIS 
  198
  830
 2 724
  273
 1 245
  3,0
5 CONTA CAPITAL
  28
  112
  440
  8
  87
  0,3
6 CONTA FINANCEIRA
- 2 652
- 34 783
- 54 734
 1 712
- 2 321
 -  14,7
 
 

     
BALANÇO DE PAGAMENTOS - US$ milhões - DÍVIDA MOBIL. BC + TN (reais).
05/2016. 2016P é Previsão.
CONTAS 2010 2011 2012 2013 2014 2015 05/2016 2016P
1- BAL. COMERCIAL 20267 29796 19431 2558 -6529 17670  18693 30,0
 1.1- Exportações 201915 256040 242580 242179 224098 190072 73175 190
 1.2- Importações -181649 226243 -223149 239621 230627 172422 54482 160
2- BAL. SERV. E RENDAS -70630 -85225 -76523 -87325 -100623 -70388 -25904 -73,9
 2.1) RENDAS -39567 -47319 -35448 -39773 -52170 -49335 -14681 -40,5
  2.1.1- Juros -9682 -9719 -11847 -14244 -21340 -21913 -8323 -20,9
  2.1.2 - Divid. e Lucros -30375 -38166 -24112 -26045 -31187 -20793 -6467 -20,0
  2.1.3 - Salários 498 567 511 516 357 349 109 0,4
  2.2) SERVIÇOS -30807 -37906 -41075 -47552 -48107 -36978 -11223 33,4
  2.2.1 - Viagens -10503 -14459 -15588 -18632 -18724 -11513 -2407 -9
  2.2.2 - Transpotes -6406 -8335 -8769 -9786 -8697 -5723 -1184 -6
  2.2.3 - Aluguel Equip. -13752 -16669 -18741 -19060 -22629 -21532 -8322 -21
  2.2.4 - Outros -147 1558 2022 -46 1943 2724 689 1,5
3- TRANSF. UNILAT. 2845 2816 2846 3364 2729 2319 1245 2,9
4- TRANS. CORRENTES -47518 -52612 -54246 -81374 -104076 -58942 -5966 -41,0
5- CONTA CAPITAL e FINAN. 100102 111868 72762 73778 100129 56252 2234 40,6
6- BAL. PGTO. Saldo 52584 59256 20516 -7596. -4706 -2690 -3732 -0,4
6.1) PIB cresc. % 7,5 2,6 1,0 2,3 0,1 -3,9   -2,0
7- AJUSTES  LIQUID. 3063 -8713 +558 -6743 2963 -4382    
8- RESERVAS - CAIXA 288575 352073 373147 358808 363551 356464 363447  
8 - RESERVAS - LIQUIDEZ 288575 352073 378560 375794 374051 368739 374607  
 8.1) Aumento Res. L. 49521 63498 26487 -14339 -1743 -5312 5868  
A) a1) Fluxo Com. saldo -1650 43950 8373 11136 4137 25486 21478  
   a2) Fluxo Finan. saldo 26004 21329 8380 -23396 -13424 -16071 -28327  
   a3) Fluxo Total saldo 24354 65279 16753 -12261 -9287 9414 -6848  
9- Dívida Ext . 350,44 402,4 441,8 485 554,7 545 547  
   9.1- Pública 83,60 62,3 67,3 70,8 75,3 68 72,8  
   9.2- Privada 172,07 235,1 249,6 241,2 272,4 270,5 258,6  
   9.3- Entre Empresas 94,77 105,0 124,9 173 207 206,5 215,6  
10 - Dív..  Mobil. int. TN 04/2016 1603,9 1783 1916,7 2028 2183 2650 2670  
10.1 - Dív. Mob. int. Bruta 04/15 2307 2535 2823 2986 3301 3944 3968  
11 - SRF - REC. admin. 05/2016 805,7 939 1029 1138 1188 1191 509,8  
 11.1 - DÍV. / REC. 1,99 1,81 1,86 1,78 1,84      
12 - IGPM    05/2016 11,32 5,10 7,82 5,51 3,69 10,54 4,15  
13 - IPCA 05/2016 5,91 6,50 5,84 5,91 6,41 10,67 4,05  
14- CDI 05/2016 9,75 11,60 8,40 8,06 10,81 13,27 5,50  
15 - US$ % ACUM. 05/2016 -4,3074 12,58 8,84 14,63 13,39 47,01 -7,93  
16 - PIB US$ tri. 2,210 2,613 2,411 2,388 2,345      
16.1 - PIB R$ tri. 3,887 4,375 4,713 5,167 5,521      
17- DÍV. MOB. liqu. / PIB % 41,26 40,75 40,66 39,24 39,53      
17.1 - Div. Mob. bruta / PIB % 59,35 57,94 59,98 57,78 59,78      


DADOS DO COMÉRCIO EXTERIOR E INTERVENÇÕES DO BC NO CÂMBIO.
TÍTULOS
2012
2013 2014 01/15 02/15 03/15 04/15 05/15 06/15 07/15 08/15 09/15 10/15 11/15 12/15 2015 01/2016 02/2016 03/2016 04/2016 05/2016 2016
1) BAL. COMERCIAL
19431
2561 -6248 -3172 -2842 457 491 2761 4527 2146 2689 2944 1995 1197 6068 17670 643 2869 4258 4647 6437 19698
1 A) BAL. SERV. E RENDAS
-76523
-87325 -88940 -7577 -4195 -5967 -7262 -6084 -7176 -8550 -5215 -59948 6322 -4160 -8986 -70,88 -5699 -5066 -5353 -4454 5323 -25904
2) TRANS. CORRENTES
-54246
-81374 -104835 -10654 -6879 -5736 -6091 -3366 -2547 -6163 -2487 -49.362 -4166 -2931 -2460 -56406 -4817 -1919 -885 412 1200 -5966
3) CONTA CAPITAL E FINANC.
72762
73778 100129 10835 7570 5183 6794 3204 2299 5643 2038 47321 3568 -2960 2439 54036 4394 1375 340 784 1704 2234
4) DIV. EXTERNA bi.
442
485 554,7 558,2 557,8 555,5 562,3 559 555 552,8 555,9 561 561 546 545 545 541,45 540,6 549,7 557 547 547
5) RESERVAS caixa mi.
373147
358808 363551 361767 362547 362744 364473 366647 368668 362252 368159 361370 361230 357016 356464 356464 357707 359368 357698 362201 363447 363447
5.1) RESERVAS LIQUIDEZ 378613 375794 374051 372167 372147 371044 372973 371697 372168 370752 370559 370600 370960 368976 368739 368739 369772 371703 375198 376681 374607 374607
6) FLUXO CAMB. Total saldo
16753
-12261 -9287 3903 -1142 2003 13107 -2077 -4694 -3935 4111 -111 -3500 3895 -2146 9414 1475 -9294 -2543 6515 -3001 -6849
6.1) Fluxo Comercial saldo
8373
11136 4137 -215 567 -71 3112 3483 2935 4441 1989 1167 -237 1190 7124 25486 3354 1936 1737 6017 8433 21478
6.2) Fluxo Financeiro saldo
8380
-23396 -13424 4118 -1710 2074 9995 -5560 -7629 -8376 2122 -1277 -3263 2705 -9270 -16071 -1879 -11231 -4280 498 -11434 -28967
7) INTERVENÇÕES BC
5686
-11520 6319 100 800 1300 -200 3450 1550 1000 100 -6830 -500 -2230 -315 -1775 10 -70 -5165 3020 3320 1115
7.1) Pronto
11152
0 X x x X X x X x x x x X x x X x x X x x
7.2) Termo
0
0 X x x XX X x X x x x x X x x X x x X x x
7.3) Linha c/ Recompra
-5466
-11520 6486 100 800 1300 -200 3450 1550 1000 100 -6830 -500 -2230 -315 -1775 10 -70 -5165 3020 3320 1115
7.4) Empréstimo
0
0 0 x x X X x X x x x x X x x 1033 x x X x x
8) OUTROS BC
8445
-2819 -1743 -1833 -20 -1103 1929 -1277 472 -1417 -193 41 360 -1984 -237 -4451 1033 1931 3495 1482 -2074 5867
9) SWAPS BC R$
4204
175422 284959 304108 320003 358225 342371 356600 336938 369068 380057 406629 402322 425364 426770 425364 422257 426666 368388 237078 220026 220026
9.1) Resultado (caixa) R$ 1098 -1315 -17239 10781 -27292 -34512 31829 -22065 8125 -23906 -17226 -38599 19030 11972 -7794 -89657 -16769 11718 42697 12235 -3938 46042
9.2) SWAPS (em US$) 2065 75105 109588 118125 112756 114918 112825 112870 110819 108182 103917 108110 108103 108100 108103 108103 108106 108116 105637 70653 62135 62135
10) POS. CÂMB Bancos
V6069
V18124 V28261 V24424 V25868 V23830 V10528 V12846 V17464 V21689 V17595 V17833 V21147 V18297 V20139 V20139 V18738 V27909 V30464 V29986 V27041 V27041
11) VAR. CAMB. US$
8,94
14,636 13,39 0,23 8,11 11,46 -6,68 6,19 2,40 9,39 7,45 8,95 -2,87 -0,22 1,41 47,01 3,53 -1,56 -10,57 -3,04 4,18 -7,93