sábado, 14 de janeiro de 2017

GLOBALIZAÇÃO, NACIONALISMO E LIBERALISMO (Brasil, América do Sul e Europa).


GLOBALIZAÇÃO, NACIONALISMO E LIBERALISMO (Brasil, América do Sul e Europa).

A globalização veio para ficar com o avanço das comunicações on line por TV, internet, telefonia instantânea com imagem e dos meios de transportes. Isto trouxe facilidades para o conhecimento, o comércio, as finanças e a difusão dos conhecimentos e costumes.
Entretanto a globalização não significa a morte do sentimento nacional (interesses de comunidades que têm sentimento comum). A América do Sul espanhola apesar de ter uma única língua e religião dividiu-se em várias nações por interesses econômicos e políticos diferentes (as distâncias entre as principais cidades e as dificuldades de comunicação). Nem Simon Bolívar conseguiu unificar os interesses de Venezuelanos, Colombianos, Equatorianos e Peruanos em uma única nação (ou país). Os interesses políticos locais e as dificuldades de comunicação dificultavam e desaconselhavam a unificação administrativa da região. Já a América portuguesa ficou unificada por ter a mesma língua, religião e por alguns anos ter sido a sede central do reino unido de Portugal, Brasil e Algarves. D. João VI mudou a sede do governo de Portugal para o Brasil (Rio de Janeiro) por causa da invasão de Napoleão (Portugal era aliado da Inglaterra). Com o retorno de D. João VI para Portugal o Brasil ficou sendo governado por seu filho D. Pedro I (criado e educado no país, mais um brasileiro do que português). Fez a independência do Brasil e vencendo as regiões revoltosas que preferiam continuar unidas a Portugal unificou o país. O fato das capitais das províncias e principais cidades serem à beira mar facilitava as comunicações. Diferente do que muitos pensam muitas lutas aconteceram. O segundo Imperador brasileiro, D. Pedro II, muito culto e ótimo governo, solidificou a união do país e o sentimento nacional de brasilidade. Por outro lado a Província Cisplatina (Uruguai) que falava o espanhol, apesar de pequena em relação ao Império, conseguiu sua independência através de lutas. Não tinham o sentimento nacional de brasilidade. Portugal conseguiu manter o domínio e a língua unificada no extenso território construindo fortificações em todos os cantos do país e uma forma de governo aceita pela maioria. A população apesar de uma única língua foi enriquecida por migrantes de várias partes do mundo: os africanos (como escravos), espanhóis, italianos, sírio-libaneses, alemães, holandeses, suíços, poloneses, ucranianos e outros. Como prevaleceu a aceitação quase natural da miscigenação e a atração pelo não igual, diferente de quase todas as regiões do mundo? Várias teorias, mas a mais aceita é a distância da Europa, os filhos tidos com as índias no início e depois com as escravas, as poucas opções dos filhos dos imigrantes de namorarem iguais, a educação em escolas unificadas, fez a miscigenação ir acontecendo naturalmente. A segunda geração de imigrantes já não aceitava os rígidos costumes dos pais e abraçavam a cultura em que foram educados. Não aceitavam ter que casar com quem não gostavam. E o sentimento de brasilidade pode ter sido enriquecido com as disputas com a Argentina e com a guerra do Paraguai. Vimos como a América portuguesa se unificou em um só país com um único sentimento nacional e a espanhola se dividiu em várias nações.
A Europa que era dividida em Impérios familiares que uniam povos de línguas e costumes diferentes foi se dividindo em países de acordo com os sentimentos de nacionalidade (geralmente, mesma língua, costumes). As tentativas de confederações e federações só conseguiram guerras (Iugoslávia e URSS). A Iugoslávia se dividiu. A parte da Ucrânia que fala russo luta por sua independência e até preferem a unificação com a Federação Russa como forma de defesa.    
No oriente médio os curdos lutam por sua nacionalidade no Iraque na Turquia e na Síria. Os sunitas e xiitas lutam pelo controle do Iraque e da Síria. Os muçulmanos xiitas não se misturam com os sunitas, os cristãos Maronitas não se misturam com os ortodoxos.
A maioria das nações são multirraciais, poucas miscigenadas. O Brasil é a maior nação miscigenada do mundo. Aqui a miscigenação é natural e aceita sem preconceitos. Na maioria dos países isto não acontece. Os EUA estão passando por um processo bastante rápido de multirracial para miscigenado.  
A Europa tenta uma união através da moeda EURO  e da UE. A abertura para os países com estágio de desenvolvimento muito diferente motivou a Grã Bretanha a votar pela saída da UE (a entrada de imigrantes assustou os ingleses).

GLOBALIZAÇÃO X NACIONALISMO X LIBERALISMO: é possível conviverem? SIM.
Liberalismo não significa portas escancaradas, mas abertura para negociações que preservem interesses locais (nacionais).
A Globalização ocorre em vários segmentos: comunicação, tecnologias, comércio, finanças bancárias. Não significa necessariamente portas escancaradas para migrantes, mas abertas com condições.
O Nacionalismo não significa portas fechadas para a globalização, mas defesa de interesses comuns dos nacionais.
Língua e religião ainda dividem interesses nacionais. O fanatismo religioso vai acabar com o passar dos tempos.
Política fiscal (orçamento e execução), monetária (poder de emitir moeda) e cambial dividem as nações. O EURO (política monetária e cambial) ainda sofre por causa das políticas fiscais independentes.

GLOBALIZAÇÃO NÃO SIGNIFICA A MORTE DAS NACIONALIDADES NEM O NACIONALISMO É INCOMPATÍVEL COM O LIBERALISMO.
MAG 01/2016.   

sábado, 7 de janeiro de 2017

RESULTADO PRIMÁRIO DO GOVERNO CENTRAL (conceito acima da linha). R$ bilhões. NOV. /2016.



RESULTADO PRIMÁRIO DO GOVERNO CENTRAL (conceito acima da linha). R$ bilhões.
ANO
Receitas
Transf.
Rec.
Líquida

Despesas
Resultado Gov. Fed.
Result.
BC
Result.
Gov. Central
Previd.
TN + BC
Total
Previd.
TN + BC
Total
TN
Previd.
TOTAL
2010
211,96
706,56
918,53
134,69
783,84
254,86
450,21
750,07
122,18
-42,89
79,29
-0,520
78,77
2011
245,89
742,38
988,27
163,04
825,23
281,44
450,27
731,71
129,62
-35,55
94,07
-0,552
93,52
2012
275,76
784,12
1059,89
171,39
888,50
316,59
496,04
812,63
129,84
-40,83
89,01
-0,752
88,26
2013
307,15
871,84
1178,98
183,39
995,59
357,00
561,59
918,59
128,16
-49,86
78,31
-1,318
76,99
2014
337,50
883,97
1221,47
199,96
1021,51
394,20
644,52
1038,72
39,60
-56,70
-17,10
-0,115
-17,21
2015
350,27
897,52
1247,79
204,68
1043,10
436,09
722,61
1158,70
-28,22
-85,82
-114,04
-0,699
-114,74
2016
282,76
803,2
1085,97
166,34
919,63
406,66
568,79
975,45
68,74
-123,90
-55,15
-0,673
-55,82
JAN.
27,11
114,08
141,20
17,17
124,03
35,57
73,62
109,19
23,45
-8,46
14,99
-0,160
14,835
FEV.
28,01
61,59
89,61
22,15
67,46
38,28
54,18
92,46
-14,72
-10,26
-24,98
-0,017
-25,00
MAR.
28,52
69,66
98,19
13,37
84,82
38,78
53,92
92,71
2,43
-10,26
-7,82
-0,071
-7,89
ABR.
30,43
88,99
119,42
15,74
103,68
38,94
54,92
93,86
18,33
-8,51
9,82
0,005
9,82
MAI.
28,25
68,25
96,50
20,21
76,29
40,49
51,28
91,77
-3,12
-12,24
-15,36
-0,116
-15,479
JUN.
28,49
71,83
100,32
16,58
83,74
39,20
53,33
92,53
1,97
-10,71
-8,74
-0,044
-8785
JUL.
27,47
80,42
107,89
16,06
91,82
39,29
71,10
110,39
-6,82
-11,82
-18,64
0,072
-15,57
AGO.
28,53
62,79
91,32
16,33
74,98
43,84
51,49
95,33
-4,88
-15,31
-20,19
-0,152
-20,346
SET.
27,69
65,96
93,65
12,89
80,76
52,76
53,29
106,05
-0,247
-25,07
-25,32
0,031
-25,29
OUT.
28,26
119,62
147,88
15,88
132,00
39,50
51,68
91,18
52,28
-11,24
41,04
-0,222
40,81
NOV.
28,56
71,75
100,31
25,77
74,54
47,53
65,36
112,89
-19,17
-18,97
-38,13
-0223
-38,357
DEZ.













FONTE: STN